sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

Oumar gravemente lesionado





Segundo um visitante do blog que crê-mos ser alguém da direcção ou muito perto desta, Oumar Nakayoko que tinha reforçado o clube na quarta-feira dia 29, lesionou-se gravemente no treino de ontem dia 30 e deverá ser operado, acabando ao que tudo indica a época desportiva e possivelmente a sua ligação ao clube.

Ao ser verdade esta notícia mais um grande azar para o clube azul e oiro nesta época que não tem sido nada fácil.

Actualização: Segundo a rádio Elvas informa no seu site a lesão de Oumar foi no tendão de aquiles. O jogador terá que ser operado e ao que tudo indica já não joga esta época.

Também avança a rádio Elvas que Aricson está de regresso ao clube.

quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

Ponto da Situação

Esta época desportiva não tem corrido nada bem para a equipa azul e oiro, neste momento do plantel que iniciou a época desportiva só estão:

Luís Marques, Ricardinho, Rui Santos, André Largueiras, João Carapinha, Luís Carapinha, Canoa, Lourinho, Ricardo Fernandes, Carlos Xavier, Luís Coelho, Mañas e os juniores Tiago Espirito Santo e Luís Dias.

Saíram do clube:

René, Favita, Chinita, Rosinha, Marcial, Cordeiro, Galacho, Leandro, Espanhol, Camilo, Carlos Vaz e Jorginho.

Entretanto entraram no clube:



Rafael Santos (Guarda-Redes Brasileiro de 19 anos ex-Perolivense)

Oumar Bakayoko (Defesa Central Senegalês de 28 anos, 1,84m ex-Juventude de Évora)


Danilson Ribeiro (Defesa Central Cabo Verdiano de 27 anos, 1,93m ex-Moura)

Valdemar Mané (Avançado Português de 25 anos, ex-Lourinhanense), Thomas Gregg(Extremo Inglês/Galés de 21 anos ex-Lourinhanense) e Rui Cardoso (Lateral Esquerdo Português de 19 anos, ex-Atlético Clube de Portugal)



Fala-se que Aricson Lopes possivelmente está volta ao clube.

Os dados estão lançados e a nova fase começa dia 16 de Fevereiro e a manutenção é complicada, mas vamos aguardar o que Jorge Vicente consegue agora com estes reforços fazer.

quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

Reprotagem Maisfutebol: Basaúla em Elvas tão bom, tão bom que até deu nome a um bolo



Basaúla em Elvas: tão bom, tão bom que até deu nome a um bolo

Não é uma questão de levedura, a dose certa de açúcar, mais ou menos farinha. É talento e engenho. Só. O pastel Basaúla é bom porque cada pedaço relembra os ziguezagues e as arrancadas de um dos melhores futebolistas de sempre do O Elvas.

Basaúla Lemba, estrela desse Elvas de 1987/88, conta a história de uma homenagem incomum ao Maisfutebol.

«Fui jogar a Elvas pelos veteranos do Estrela da Amadora, há dois anos, e nem queria acreditar quando me contaram», explica o antigo avançado, agora com 48 anos. «O dono de uma confeitaria da cidade era meu ídolo e durante 25 anos teve à venda um bolo com o meu nome».

Este é um bom exemplo da idolatria em redor de Basaúla no final da década de 80. Essa famosa equipa do Elvas, de resto, ainda hoje tem um lugar muito especial no manual de recordações do antigo avançado.

«Fui emprestado pelo V. Guimarães e tive muita sorte. Não falava português, não conhecia a região e valeu-me o apoio da família Vidigal, com quem partilhava a origem africana. Os meus dias eram pacatos, só de longe a longe ia a Lisboa visitar o Mapuata», recorda.

«Fugi de barco para o Congo Brazzaville e daí para Portugal»

Basaúla chegou a Portugal em 1986. Veio com N´Dinga. «Era para ficar 15 dias e já estou cá há 28 anos», ri. A história da viagem revela bem a loucura que já se vivia na relação com o futebol africano. Uma história, aliás, já narrada pelo Maisfutebol em 2010.

«Eu e o N’Dinga jogávamos no Imana. O presidente do Vita foi comprar-nos para nos levar para o Nice, de França. Mas não se podia mudar assim de um clube para o outro. Deixámos de poder andar na rua de dia, só podíamos sair com guarda-costas», recorda Basaúla.

«Até que fugimos de barco, de noite, para o Congo (Congo-Brazzaville) e daí para Portugal, de avião. Íamos fazer escala, mas acabámos por ficar. O empresário Valter Ferreira convenceu o Pimenta Machado [à época presidente do Vitória Guimarães] a contratar-nos».

E Basaúla foi ficando. Atrás dele, e de N’Dinga, vieram Kipulu e N´Kama. O futebolista zairense estava na moda em Portugal. «O N’Dinga está no Canadá, o Kipulu em Londres e o N´Kama em Lisboa. Estão todos bem, como eu».

Golo de Basaúla no O Elvas-FC Porto, 2-3 (87/88):

 
http://www.youtube.com/watch?v=3XxqoGfT4lc&feature=player_embedded

No final do brilhante ano em Elvas, Basaúla esteve com um pé e meio no Sporting. «Eu e o Nando, um bom lateral direito. O Sousa Cintra falou connosco, mas o Pimenta Machado pediu muito dinheiro. O negócio caiu por terra».

Por essa altura, 1988, já Basaúla dominava a língua de Camões. Dois anos antes não era assim. O atual funcionário da Escola Intercultural das Profissões e do Desporto da Amadora enche o peito numa gargalhada e conta as aventuras em volta do Bacalhau à Gomes de Sá.

«Eu e o N´Dinga não falávamos português. Tínhamos aprendido a palavra bife e mais nada. Adorávamos bifes». Até que a necessidade exigiu mudar de prato. «Íamos aos restaurantes e ficávamos a ver as travessas das outras mesas. Era assim que decidíamos o que escolher».

«Um dia, bendito dia, passou uma travessa com Bacalhau à Gomes de Sá. É um dos meus pratos favoritos até hoje».

Depois do Vitória e do Elvas, Basaúla ganhou a Taça de Portugal no Estrela da Amadora, voltou a Guimarães para mais cinco anos, jogou no Belenenses, no Tirsense, no Moreirense, no Vasco da Gama de Sines e despediu-se como treinador-jogador no União de Montemor.

N’Dinga é o colega mais especial numa longa carreira, mas outros nomes merecem ser lembrados. «Paulinho Cascavel, Ademir, Paulo Bento e Pedro Barbosa foram meus amigos no Vitória. Aproveito para enviar um grande abraço ao Barbosa. Ele era um génio, um jogador fabuloso».

Basaúla Lemba, uma personagem marcante nas nossas cadernetas de cromos. Ainda há histórias felizes. 

Reportagem Maisfutebol: O Elvas, quando o Alentejo fazia sofrer os três grandes

O Elvas

O ELVAS CLUBE ALENTEJANO DE DESPORTOS (CNS, SÉRIE G)

Badajoz continua à vista, as muralhas em polígono resistem à austeridade, o futebol sobrevive ao isolamento e à penúria financeira. A vida em Elvas sopra devagar, como se a urgência da sociedade moderna se esquecesse da bela cidade alentejana.

No Campo Domingos Patalino, também a memória não tem pressa. Robusta e orgulhosa, fragmentos de uma história que já passou cinco vezes pela I Divisão Nacional.

O Elvas – Clube Alentejano de Desportos é embaixador maior da região e filho querido das gentes da terra. Sétimo classificado na época de 1947/48, nono e 13º nos anos imediatamente seguintes.

Ao hiato de 40 anos em escalões menores, o clube respondeu com mais duas presenças na I Liga: o 16º e último posto de 1986/87 foi salvo pelo alargamento. O adeus ocorreu com o 15º lugar de 1987/88.

«Infelizmente, nunca mais teremos O Elvas a esse nível». A sentença, feroz, parte do historiador oficioso do clube, o senhor Mário Ferreira. Dirigente nos melhores e piores momentos, nas celebrações e nos desgostos.

Ninguém conhece tão bem a essência deste monstro alentejano. «Fiz parte da direção nessas últimas presenças na I Divisão e continuo a fazer. No final do mandato atual vou ganhar juízo e afastar-me de vez. Já chega».

O Elvas-Sporting, 0-0 (87/88):


http://www.youtube.com/watch?v=7d82iwSkYCw&feature=player_embedded


O Elvas, década de 80. «Basaúla, Crispim, Bartolomeu, Carrasco, Ulisses Morais, Vítor Pontes, Luís Castro, sim o treinador do FC Porto B». Tempos felizes, de fartura e «muito investimento» no clube de futebol.

«Os três grandes vinham cá jogar e passavam dificuldades. O estádio enchia sempre, os cafés, os restaurantes e as lojas também. Elvas tinha uma alegria que se perdeu. É a porra da crise», desabafa Mário Ferreira ao Maisfutebol.

O clube compete no Campeonato Nacional de Seniores, após o título no distrital de Portalegre. Os resultados são maus e a luta pela manutenção duríssima. O que correu mal nas últimas décadas? Mário Ferreira tem a resposta na ponta da língua.

«O surgimento do Campomaiorense na década de 90 prejudicou-nos. O dinheiro mudou de Elvas para Campo Maior. Mais tarde tivemos uma brutal crise imobiliária, arrasou a cidade», identifica o dirigente do emblema alentejano. Mas há mais.

«Deixou de ser fácil arranjar patrocinadores. Só a autarquia contribui para o nosso orçamento. Os resultados este ano também não ajudam e isso deve-se ao nosso escasso terreno para recrutamento. A equipa é 90 por cento igual à anterior, tudo malta da região. Quem quer vir jogar e viver para Elvas quando não há condições para bons salários?»

Poucos, de facto. Há três exceções. O clube foi buscar há um mês três atletas da zona de Lisboa: Rui Cardoso (ex-Atlético), Valdemar Mané e Thomas Gregg (ex-Lourinhanense). O último nasceu no País de Gales e passou dois anos no Sporting.

«Não vamos deixar o Elvas cair nos distritais. Estamos numa má fase (dez derrotas seguidas), mas o campeonato pára esta semana e vamos refletir. Este clube merece estar nos nacionais», diz Thomas Gregg ao nosso jornal.

Reflexão. Mário Ferreira concretiza. «Ou investimos ou descemos. Temos de decidir. Pagamos salários baixos, mas entre ao dia 28 de cada mês o dinheiro está na conta dos jogadores. As pessoas que gerem o Elvas, como o presidente Joaquim Santos, são sérias».

O Elvas-V. Guimarães (86/87):

 

http://www.youtube.com/watch?v=y6_2Y0ty3E8&feature=player_embedded

1000 sócios representam a entrada de 1200 euros mensais nos cofres. Pouco, muito pouco. «Nesta altura é preferível jogar fora do que em casa», dispara Mário Ferreira. «Organizar um jogo em casa, com polícia e bombeiros, obriga-nos a gastar 1100 euros. Ao menos as viagens aos Açores são comparticipadas totalmente pela FPF».

São ou serão? «Serão, esperamos nós. Esta época ainda não recebemos nada e já fomos três vezes ao arquipélago. É uma loucura. E os resultados, lá está, não ajudam a ter mais pessoas a apoiar-nos».

Thomas Gregg, extremo à procura de golos, confirma os problemas desportivos. «Perdemos em casa por 0-4 no domingo. Temos de dar a volta, as pessoas da cidade adoram o clube».

Campomaiorense-O Elvas nos distritais de Portalegre:

 

http://www.youtube.com/watch?v=nEywx6NyfXU&feature=player_embedded

Época 1987/88. Qualquer semelhança com a atualidade é pura coincidência. Benfica e Sporting regressam a Lisboa só com um ponto e o zero a zero na cabeça. O FC Porto campeão europeu sofre, sofre e lá triunfa por 2-3: golos de Sousa, Geraldão e Semedo para os dragões; Bráulio e Basaúla marcaram para o Elvas.

Basaúla, Basaúla, que grande jogador era Basaúla. Por onde andará? Pesquisa, telefonema, pedido de amizade numa rede social e… cá está Basaúla. «Vivo na Amadora, trabalho na Associação Inter-Cultural de Desporto da câmara e treino uma equipa de jovens».

48 anos, memórias «fantásticas» do Elvas e muitas histórias para contar. Basaúla Lemba ao Maisfutebol. «Essa foi a minha melhor temporada em Portugal, em termos individuais. Foi a confirmação de que podia apostar no futebol profissional», refere o ex-avançado, nascido no antigo Zaire.

E esse golo ao FC Porto? «Grande golo, grande pontapé. Tabelei com o Bartolomeu e rematei de pé esquerdo. O Mlynarczyk bem se esticou. Foi pena a descida no final da temporada, tive de voltar ao Vitória Guimarães, que me emprestara ao Elvas».

O Elvas desespera por novos Basaúlas. Por vitórias, por mais receitas. Em 30 anos tudo mudou belíssima cidade do Alto Alentejo. «Nesses dois anos na I Divisão acabámos com um lucro de cinco mil contos [25 mil euros] e mais de três mil sócios inscritos».

Tudo mudou? Não. Badajoz continua à vista, as muralhas de pé e o futebol vivo.

Reportagem Maisfutebol: Thomas Gregg um galês no Alentejo em busca de golos



Thomas Gregg: um galês no Alentejo em busca de golos 

Nasceu no País de Gales, foi colega de William Carvalho nos juvenis do Sporting, jogou três anos no Swansea, tornou-se internacional galês e escolheu o Alentejo para fazer golos. Faz sentido? Para Thomas Gregg, extremo do O Elvas, sim. Todo.

Ao Maisfutebol, o jogador de 21 anos conta tudo. Do ponto de partida no Reino Unido até ao momento em que aceitou o desafio do histórico emblema alentejano. Uma história incomum.

«A minha mãe é galesa e o meu pai português. Nasci em Swansea mas vim pouco depois para Portugal», começa por contar Thomas Gregg. Os primeiros passos no futebol levaram-no para o Estrela da Amadora e aos 14 conheceu William Carvalho no Sporting.

«Já se destacava. Jogava de forma muito tranquila, tinha qualidade técnica, só lhe faltava alguma confiança. É um bom rapaz e merece tudo o que está a viver», continua o galês do O Elvas.

Aos 16 foi dispensado dos leões e aceitou regressar a Swansea. «Treinei uma semana à experiência e assinei. Fiquei três anos, cheguei às reservas e defrontei grandes nomes do futebol mundial. Contra o ManUtd, por exemplo, joguei contra o Anderson (ex-FC Porto), o Federico Macheda ou o Darren Fletcher».

O Swansea chegou, entretanto, à Premier League. «Compraram muitos jogadores e eu tive uma lesão grave no tornozelo. Fui operado e voltei para Portugal».

Thomas teve de recomeçar do zero. «Através de um amigo cheguei ao Moura, também no Alentejo, e fiz uma boa época em 2012/13. Subimos e mudei-me para o Lourinhanense. Enquanto trabalhei com mister Bastos Lopes fui titular, depois o técnico saiu e comecei a jogar menos».

A estreia com a camisola do O Elvas teve lugar a 12 de janeiro, frente ao Casa Pia. Daí para cá mais duas partidas, sempre a jogar os 90 minutos. Só os resultados não ajudam.

«Não quero e não vou deixar cair o clube nos distritais. Quero ajudar e no próximo ano logo se vê. Gosto de viver em Elvas, é uma cidade calma e bonita. Às vezes vamos dar uma volta a Badajoz, mas o que mais importa é manter o clube nos nacionais».

Thomas Gregg, um galês feliz, mas sem golos este ano. É em Elvas que os vai encontrar?


Danilson é reforço





Como tinha-mos avançado em Dezembro Danilson Ribeiro também é reforço da equipa orientada por Jorge Vicente. 

Danilson é um jogador natural de Cabo Verde tem 27 anos e veio do Moura.

Depois das saídas de Rosinha, Galacho, Chinita, Leandro e Espanhol chegam 2 defesas centrais e Aricson também pode estar de regresso.

Aricson de regresso e Oumar Bakayoko é reforço



Ao que tudo indica Ariscon Lopes está de regresso ao clube azul e oiro. Aricson abandonou o clube em Dezembro depois da goleada sofrida em casa frente à equipa do Oriental. 

Até ao momento continua a ser a par de Jorginho o melhor marcador da equipa com 3 golos.

Também Oumar Bakayoko central Senegalês de 28 anos poderá ser reforço da equipa azul e oiro. 

Oumar é um central experiente que já foi treinado por Jorge Vicente no Atlético de Reguengos quando esta equipa militava na 2ª Divisão B, actualmente representava a equipa da Juventude de Évora.

Advinham-se mais entradas na equipa azul e oiro que ao que tudo indica apostará forte na manutenção no Campeonato Nacional de Seniores.

De lembrar que esta informação não é 100% fidigna, ficamos então a aguardar por um comunicado oficial do clube no seu site oficial a explicar aos sócios a adeptos as mudanças e entradas na equipa.


terça-feira, 28 de janeiro de 2014

Rosinha, Chinita, Galacho e Leandro de saída


Segundo uma fonte anónima João Rosinha, Rogério Chinita, André Barroso (Galacho) e Leandro estão de saída do clube alentejano de desportos.

Ao que pudemos apurar até agora só se confirma a saída de João Rosinha que através da sua página do facebook confirmou a sua saída.

No entanto como se confirma a saída de Rosinha as hipóteses das outras saídas serem reais são elevadas.

Também ausente e aqui no blog comentado está a situação de António Pinheiro (Espanhol) que também poderá ter abandonado.

Aguardamos por um comentário oficial por parte da direcção azul e oiro.

segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

Análise do Jogo "O Elvas" vs Sporting Ideal



Humilhante derrota perante um adversário do seu campeonato. Adversário esse que está motivado, equilibrado animicamente e bem preparado tecnicamente.

Desconhecemos as razões que levam o Elvas a fazer jogos de nível aceitável contra adversários do topo da tabela classificativa e depois a fazer outros em que parece que a equipa desaparece do terreno de jogo por completo, desmembrasses de tal forma que é incapaz de reagir a qualquer adversidade.

Penso que fatores extra retângulo de jogo estão por traz de tudo isto e o aspeto anímico e os níveis de confiança global da equipa estão abaixo de zero e até mesmo o Futebol Benfica não estará tão abalado psicologicamente como o nosso Elvas, embora poderão existir outras razões no clube lisboeta que fazem com que permaneça como lanterna vermelha do campeonato.

De qualquer forma, o Elvas até ao minuto 25 momento do primeiro golo açoriano, equilibrou mais ou menos o jogo, mas sempre com uma percentagem enorme de passes errados, circulação de bola muito lenta, sem ideias, sem chama, a pressão era feita tardiamente, pois, quando o faziam já o adversário tinha a bola dominada e muito cedo perdeu o meio campo principalmente a partir da substituição surpreendente de Galaxo, que até ao momento estava a cumprir perfeitamente a sua função, tendo em conta a enorme pressão feita pelo meio campo da equipa de Roquete. Depois do primeiro golo foi um desnorte total, mesmo assim, ouve tempo para ter duas grandes ocasiões desperdiçadas ainda na 1ª parte do jogo.

Na segunda parte continuou a intranquilidade evidente da equipa que estava sob brasas e que já ninguém acreditava numa reviravolta, nem os jogadores, nem o treinador que também estava meio perdido e desmotivado, talvez arrependido de opções tomadas anteriormente, mas ainda ouve tempo para o Ideal ampliar o score para 0-4 no minuto 88 já com metade dos adeptos elvenses fora do estádio e completamente desiludidos com a sua equipa.

Para além destes fatores anteriormente focados, também é correto dizer que a falta de sorte, nos bate à porta constantemente, pois numa ocasião na segunda parte por Mañas em que a bola embate no poste da baliza do gigante Guga e as duas ou três ocasiões da primeira parte, com um pouco mais acerto na finalização o resultado até poderia ser outro e o 0-4 resulta totalmente de erros coletivos da equipa do Elvas e não de jogadas bem elaboradas pelo adversário, mas sim bem aproveitados pela equipa insular.

Fazendo o ponto da situação ao fim da 1ª fase, o Praiense e o Ideal ficam com 9 pontos já convertidos, o Elvas com 5 pontos e o Futebol Benfica com 4. Isto quer dizer, que matematicamente tudo é possível, até o Futebol Benfica poderá ainda recuperar, mas atendendo aos níveis de confiança e intranquilidade da equipa manifestada em campo, é realmente preocupante a situação atual do Elvas.

Na minha opinião a equipa só poderá recuperar animicamente, (porque quando falo “ a equipa” estou a incluir a equipa técnica, que me parece também muito abalada psicologicamente), com uma dose de mentalização da parte do presidente e direção dando confiança a todo o grupo de trabalho e dizendo que nada está perdido.

No entanto, sem esquecer que é necessário a vinda de um central para solidificar o setor defensivo. Na realidade, estão a partir de agora, 42 pontos em disputa em 14 jornadas.

domingo, 26 de janeiro de 2014

"O Elvas" perde com Sporting Ideal por 0 - 4


Jogou-se na tarde deste domingo a 18ª e última jornada da 1ª fase do Campeonato de Seniores em que a equipa de "O Elvas" recebeu a equipa do Sporting Ideal, acabando por perder por 4 bolas a 0.

Num jogo que era obrigatório ganhar os comandados de Jorge Vicente apresentaram-se em campo sem ideias e não conseguiram fazer frente à equipa do Sporting Ideal que se apresentou muito bem em Elvas.

Ficamos com a sensação que algo extra-futebol se passa na equipa e no clube pois já vimos esta equipa fazer melhor e hoje desde início que se viu uma equipa completamente desmotivada e sem alma.

Terminou assim a primeira fase deste Campeonato Nacional de Seniores e o futuro azul e oiro adivinha-se muito negro para o que resta do campeonato.

A equipa de "O Elvas" alinhou com: Rafeal Santos, Ricardinho, Rui Santos, Chinita, Rui Cardoso, André Largueiras, Galacho, Luís Carapinha, Lourinho, Thomas Gregg e Valdemar Mané.

Ainda jogaram: Canoa, Luís Coelho e Mañas.

quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

"O Elvas" vs SC Ideal




Joga-se no próximo domingo a 18ª e última jornada da 1ª fase do Campeonato Nacional de Seniores num jogo que irá opor frente a frente a equipa  de "O Elvas" e a equipa do Sporting Ideal.

Num jogo onde é obrigatório ganhar os comandados de Jorge Vicente terão de mostrar que a evolução das últimas partidas chega para vencer um adversário directo na luta pela manutenção. 

Como o nosso treinador pediu no final do jogo passado em Loures a equipa precisa de todo o apoio dos seus associados e adeptos, por isso pede-se a todos os amigos do Elvas que apareçam no próximo domingo no estádio e sermos assim o 12º jogador.

Já é conhecido o juiz que irá dirigir o encontro do próximo domingo, será o senhor Rúben Miguel Revez Rochinha que pertence à Associação de Futebol de Beja, sendo o observador o senhor José Joaquim Bravo Pinto.

Lista de Convocados:

Guarda-Redes: Luís Marques e Rafael Santos;

Defesas: Ricardinho, Rui Santos, Rosinha, Chinita e Rui Cardoso;

Médios: André Largueiras, Galacho, João Carapinha, Luís Carapinha e Thomas Gregg;

Avançados: Canoa, Carlos Xavier, Lourinho, Luís Coelho, Valdemar Mané e Mañas.


segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

Análise do Jogo Loures vs "O Elvas"


Resultado pesado por aquilo que o Elvas fez em campo. As jogadas de estratégia do adversário e a inoperância atacante elvense ditaram o resultado dilatado a favor de um Loures que é de facto uma boa equipa, sem grandes estrelas, com destaque apenas para Adilson Cabral extremo rápido e habilidoso, mas uma equipa eficiente, que no momento certo resolve o jogo. 

De qualquer forma o Elvas foi uma equipa desinibida e perigosa que teve pelo menos quatro ocasiões importantes no jogo, que poderiam ter virado a tendência do jogo, se não fosse o fator psicológico estar a pesar nesta equipa, porque dez derrotas simultâneas, incomoda na realidade o desempenho da equipa principalmente nos momentos da finalização. 

A ocasião de André Canoa é inacreditável como se falha um golo estando completamente isolado perante o guarda-redes adversário. O Elvas precisa urgentemente de ganhar um jogo para adquirir alguns níveis de confiança, porque vê-se que começa a carburar o entrosamento entre os reforços e o restantes elementos da equipa, só falta afinar a finalização (níveis de confiança) e resolver o grave problema dos defesas centrais (cantos, livres, cruzamentos, etc.).

Até aos 19 minutos o Elvas tinha apresentado um sistema tático perfeito, bloqueando as linhas de passe do Loures e partindo para situações de ataque organizado e por vezes de transições rápidas, até que o bloco defensivo em jogada de estratégia do adversário sofre o primeiro golo, mas ainda na primeira parte o Elvas teve duas ocasiões para empatar o jogo, mas a falta de discernimento atacante provocou a não assertividade na baliza contrária. Na segunda parte mais duas ocasiões desperdiçadas e claro, quem não marca sofre.


Sofre um segundo golo também de bola parada (João Job), na sequência de um canto e o terceiro e último golo surge já com a equipa a alongar-se demasiado no campo e desguarnecer a retaguarda, sofrendo-o assim numa transição rápida por intermédio de Pedro Augusto. Resultado algo enganador que penaliza bastante a equipa alentejana que tem vindo a melhor a sua performance apesar da derrota, embora contra o primeiro classificado deste campeonato, mas terá que trabalhar muito mais para atingir os seus objetivos. Em relação às opções do técnico não entendi a não inclusão de Galacho e por que não a de João Carapinha, visto que era um jogo em casa do primeiro classificado, por isso teríamos que jogar com cautelas defensivas, mas ele é que trabalha com os jogadores semanalmente, está mais habilitado e é quem tem que tomar as decisões.


 No próximo jogo, um confronto com uma equipa do nosso campeonato da luta pela manutenção, o Sporting Ideal dos Açores que curiosamente é treinado pelo técnico Luís Roquete que já treinou o nosso Elvas e que tem feito alguma recuperação desta equipa açoriana. Veremos qual é a nossa capacidade perante este adversário que é teoricamente muito mais fraco que o Loures.

domingo, 19 de janeiro de 2014

"O Elvas" perde com Loures por 3 - 0


Jogou-se na tarde deste domingo a 17ª jornada do Campeonato Nacional de Seniores em que a equipa de "O Elvas" se deslocou até Loures para defrontar a equipa local, acabando o resultado por ser uma vitória por parte da equipa do Loures por 3 bolas a 0.

"O Elvas" continua assim sem vencer e sem marcar golos.

Na próxima semana os azuis e oiro recebem a equipa do Sporting Ideal num jogo que marca o fim da 1ª fase deste Campeonato Nacional de Seniores.

A equipa de "O Elvas" alinhou com: Rafael Santos, Ricardinho, Rui Santos, Chinita, Rui Cardoso, Largueiras, Luís Carapinha, Thomas Greeg, Lourinho, Valdemar Mané e Mañas.

Ainda jogaram: Luís Coelho, Canoa e Ricardo Fernandes.

sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

Loures vs "O Elvas"


A equipa de "O Elvas" desloca-se no próximo domingo até Loures para defrontar a equipa local, em jogo a contar para a 17ª jornada do Campeonato Nacional de Seniores.

Os azuis e oiro estão em 9º lugar com 10 pontos, já a equipa do Loures é líder com 33 pontos.

Partida que se prevê muito complicada para os comandados de Jorge Vicente.

Já é conhecido o juiz que irá dirigir a partida do próximo domingo, será o senhor Nuno Sérgio Só Alvo que pertence à Associação de Futebol do Algarve, sendo o observador o senhor Filipe Miguel Gomes Guimarães.

Lista de Convocados:

Guarda-Redes: Luís Marques e Rafael Santos;

Defesas: Ricardinho, Rui Santos, Chinita, Rosinha e Rui Cardoso;

Médios: Largueiras, João Carapinha, Galacho e Luís Carapinha;

Avançados: Canoa, Lourinho,  Valdemar Mané, Thomas Gregg, Luís Coelho, Ricardo Fernandes e Mañas.


segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

Análise do Jogo "O Elvas" vs Casa Pia




O Elvas entrou muito bem no jogo efetuando uma pressão alta sobre o adversário e fechando o seu bloco defensivo, tendo ao mesmo tempo o domínio do jogo no campo contrário incomodando seriamente a equipa lisboeta, criando assim um fator surpresa ao Casa Pia que esperava mais facilidades. 

Durante sensivelmente 15 minutos teve a posse de bola e ganhou sempre o jogo aéreo por intermédio de João Carapinha e Valdemar Mané que segurava os defensores casapianos através do seu poderio físico e das suas arrancadas, promete ser um bom reforço.

Quanto ao Thomas Gregg foi o autêntico transportador de jogo do Elvas pôs a equipa em movimento e auxiliou bastante no processo ofensivo o Luís Carapinha. Também teve uma grande jogada em que rematou colocado para uma grande defesa de Miguel Soares, é de facto uma mais-valia para esta equipa. Em relação ao Rui Cardoso, como esteve condicionado toda a semana não teve ainda ocasião para se mostrar, embora apresente capacidades que estão à vista, a velocidade e um bom drible, no entanto falta-lhe experiência, só tem 19 anos de idade. 

Quanto ao Rafael não teve muitas intervenções como as teve nos Açores, graças à boa prestação da equipa no aspeto tático, mas quando teve que intervir fê-lo com qualidade e sempre muito atento principalmente quando tinha que sair da baliza. 

Não teve qualquer responsabilidade no golo sofrido, que foi uma desatenção imperdoável da defensiva alentejana ao deixar totalmente sem marcação o jogador Bruno Lourenço que aproveitou a ocasião para fazer o único golo do jogo e que valeu à equipa de José Viriato somar mais 3 pontos.

Era de facto difícil na apresentação dos reforços que tudo funcionasse bem, perante um adversário experiente, que troca bem a bola, equilibrado em todos os sectores e muito bem preparado quer taticamente quer fisicamente, um sério candidato aos primeiros lugares e não é por acaso que são muito cobiçados jogadores como Kennedy e Tiago Mendes, dois jovens jogadores que equipas nacionais e estrangeiras já manifestaram interesse nos seus serviços. 


De qualquer forma O Elvas que estava já morto para muita gente ressuscitou e apresentou uma atitude mental e física que nos leva a ter esperança para a 2ª fase que vem aí em breve e que com estes novos argumentos e mais um defesa central que poderá ingressar na equipa, poderemos deixar os últimos lugares e evitar a despromoção.

Todos estes ajustes no plantel se fossem pensados no início da época e com este técnico, provavelmente o Elvas estaria junto ao 1º de Dezembro na classificação e nunca nos lugares de despromoção. Quanto à equipa de arbitragem cometeu alguns erros técnicos e disciplinares, penalizando mais a equipa elvense.

De salientar surpreendentemente o Ideal derrotou o Futebol Benfica em Lisboa, a equipa de Luís Roquete está a recuperar o que não é bom para nós, mas quando vierem a Elvas analisaremos o real valor da equipa açoriana. De qualquer forma o campeonato na sua 2ª fase vai ser muito interessante, porque cada jogo será uma final até descobrirmos quem serão os despromovidos aos campeonatos distritais.

domingo, 12 de janeiro de 2014

"O Elvas" perde com o Casa Pia por 1 bola a 0



A equipa de "O Elvas" recebeu na tarde deste domingo a equipa do Casa Pia em jogo a contar para 16ª jornada do Campeonato Nacional de Seniores, acabando com o resultado a ser uma derrota dos azuis e oiro por 1 bola a 0.

Na próxima semana a equipa comandada por Jorge Vicente desloca-te até ao terreno do líder Loures.

A equipa de "O Elvas" alinhou com: Rafael Santos, Ricardinho, Rosinha, Rui Santos, Rui Cardoso, Largueiras, João Carapinha, Luís Carapinha, Canoa, Thomas Gregg e Valdemar Mané.

Ainda jogaram: Lourinho, Luís Coelho e Mañas.

quinta-feira, 9 de janeiro de 2014

"O Elvas" vs Casa Pia



A equipa de "O Elvas" recebe no próximo domingo pelas 15 horas a equipa do Casa Pia em jogo a contar para 16ª jornada do Campeonato Nacional de Seniores.

Num jogo que se prevê de dificuldade máxima para os comandados de Jorge Vicente, vai ser interessante assistir à estreia dos novos reforços da equipa e também de Rafael Santos, que irá estrear-se a titular na baliza azul e oiro depois de ter rendido Luís Marques no jogo frente ao SC Praiense.

Já é conhecido o juiz que irá dirigir o encontro do próximo domingo, será o senhor Pedro Miguel Torres Ramalho que pertence à Associação de Futebol de Évora, já o observador será o senhor João Almeida Esteves.

Lista de Convocados:

Guarda-Redes: Rafael Santos e João Cristo;

Defesas: Ricardinho, João Carapinha, Rogério Chinita, Rosinha, Rui Santos e Rui Cardoso;

Médios: Largueiras, Calacho, Luís Carapinha e Espanhol;

Avançados: Luís Coelho, Lourinho, Canoa, Valdemar Mané, Thomas Gregg e Mañas.


quinta-feira, 2 de janeiro de 2014

“O Elvas” assegura três reforços e falta um quarto

Mané, Thomas Gregg e Rui Cardoso (na foto ao lado, da esquerda para a direita) são os três novos reforços de “O Elvas”, que já se apresentaram na noite desta quinta-feira, dia 2, às ordens do treinador Jorge Vicente, no Campo Patalino do Estádio Municipal.

O quarto reforço, um defesa central, não chegou para já, pois o Clube Alentejano de Desportos teve um acordo apalavrado, mas o jogador encontrou outro clube, nas últimas horas.

Mané é ponta-de-lança, tem 25 anos, 1,86 metros de altura e 80 quilos de peso, jogou no Oriental, Aljustrelense e Vasco da Gama da Vidigueira, tendo feito a primeira parte desta temporada no Lourinhanense.

Thomas Gregg é extremo esquerdo, tem 21 anos, fez a sua formação no Sporting e Swansea City e, no futebol sénior, jogou no Moura e Lourinhanense, nesta temporada. Tem 1,79 metros de altura e 66 quilos.

Rui Cardoso é defesa esquerdo, tem 19 anos, fez a formação no emblema lisboeta do Atlético, onde chegou a sénior e esteve esta meia época no plantel principal que disputa a II Liga. Tem 1,85 metros de altura e pesa 74 quilos.

No plantel de “O Elvas”, confirma-se o abandono de João Cordeiro para o Fronteirense, que se junta a mais seis saídas anteriores nos “azuis-e-ouro”: René, Marcial, Camilo, Jorginho, Aricson e Carlos Vaz. Leandro continua lesionado, com fratura de um osso da face.

O Clube Alentejano de Desportos é penúltimo com dez pontos e o próximo jogo é no dia 12, na receção ao Casa Pia, equipa que ocupa a terceira posição com 28 pontos e a lutar por um lugar que dá acesso a discutir a subida. IN:www.radioelvas.com